O Que Nos Resta é o Silêncio

O Que Nos Resta é o Silêncio foi contemplado com o Prêmio Myriam Muniz de Teatro Funarte/Petrobrás tendo sido apresentado como Processo no festival Riocenacontemporânea de 2005. Estreou no Espaço Sesc em Copacabana no dia 8 de junho de 2006, cumprindo subseqüente temporada na Sala Rogério Cardoso na Casa de Cultura Laura Alvim. Em 2007 ficou em cartaz na Casa da Glória, mansão que faz parte do conjunto arquitetônico do Outeiro da Glória.

 

 

 

 

Tínhamos algumas questões. Queríamos falar sobre escolhas, e como podemos influenciar a nossa vida e as de outros com pequenos atos. É um pensamento quase budista: de que nós somos feitos de simples escolhas cotidianas.
Ao se fazer uma escolha, tem-se consciência de tudo o que se deixou para trás? Em uma noite qualquer as vidas de seis personagens se entrechocam. Em comum elas têm, apenas, as constantes da solidão, de seu silêncio interior e de suas pequenas escolhas individuais que, mesmo parecendo insignificantes, determinaram de forma irrevogável o seu destino.

Ficha técnica

Direção, Dramaturgia e Cenografia – Joelson Gusson
Elenco – Ângela Delphim, Candice Abreu, Leonardo Corajo, Lucas Gouvêa, Luciano Moreira
Preparação Corporal – Gustavo Ciríaco
Figurinos – Ítala Mattos e Joelson Gusson
Fotografias – Paula Kossatz
Assessoria Teórica – Lídia Olinto e Bernardo Freire
Iluminação – José Geraldo Furtado
Programação Visual – Clarice Rito e Pina Brandi
Produção Executiva – Ítala Mattos e Fomenta Produções
Direção de Produção – Joelson Gusson

Este trabalho contou, em seu período de criação e sua primeira temporada, com a participação dos atores Danilo Menegale, Fabiano Costa, Júlia Cárdenas e Lídia Olinto.