Observatório Constante

conversas / debates / entrevistas / música / espetáculos / filmes / performances

Cavalo Hidrelétrico

29.05 Quarta às 21h
No centro da Selva Central Amazônica, um Cavaleiro-Espacial, o Capitão-X-2-Espacial constrói uma cidade de Aço, a exemplo daquela cidade do futuro, cidade das máquinas, Metrópolis, no filme homônimo de Fritz Lang. Para que a realização desse louco empreendimento, a construção de XUPAESPACIAL, a cidade de aço, no centro da selva central, se tornasse viável, esse Capitão-Espacial-Sinistro projetou instalar a cidade-espacial sobre uma grande ferraria dos índios Ashaninka, para que dessa ferraria se extraísse aço e ferro para a construção da alucinada cidade. Desse Cavalheiro-Estrangeiro, acompanhado por seu Cavalo-Robô, suspeitava-se ser espião-aéreo de um outro planeta ou de alguma nação super-rica ou de um laboratório-multinacional. Durante 100 dias, o diabólico-Capitão manteve aprisionado na ferraria, que logo foi transformando-se no subterrâneo da cidade, mais de 2000 índios Ashaninka, para que construíssem a cidade de ferro e máquinas do louco Capitão. Uma Mulher-imaginária, Maria Solaris, aparece na cidade-fantasma-de-ferro se dizendo a Mulher- que-veio-com-o-tempo e neta de uma índia-morta-barbaramente por caçadores-de-índios. Fascinado por essa criatura-misteriosa-feminina o Capitão X 2 convida-a para ser a Raínha de Xupaespacial, a cidade de aço e das máquinas. Diante da recusa dela o Capitão escraviza a Mulher, obrigando Maria Solaris a varrer-eternamente os lixos-diários da cidade, lixos- nucleares. Na floresta, nos limite da cidade, o fantasma de uma Índia-na-Sombra de 300 anos aparece para Maria Solaris anunciando que um Xamã Ashaninka, o Chefe-Xamã-Samuel tem um recado divino para ela…

Classificação Livre
Entrada Franca