OZZZZZ

OZZZZZ

Observatório Constante

conversas / debates / entrevistas / música / espetáculos / filmes / performances

«(…) passa também a aderir-se a essa dimensão irónica e light, que transgride as diferenças e as semelhanças entre o aqui e o lá, entre o próprio e o estrangeiro, entre o nacional e o internacional… nessa dinâmica “easy jet – low cost”…»
Afonso Becerra, Artezblai – El Periódico de las Artes Escenicas, 17/06/2014

OZZZZZ propõe uma releitura do clássico “O Feiticeiro de Oz”, abordando o binómio casa/viagem num contexto contemporâneo de mobilidade à escala mundial. Os cinco intérpretes deste espectáculo realizaram uma viagem low cost para diferentes cidades – Berlim, Palermo, Casablanca, Budapeste e Tel Aviv –, testando a sua capacidade de integração e o seu sentido de ‘casa’. O registo vídeo destas viagens constitui o eixo central deste espetáculo.

Direção Artística e de Produção: Alfredo Martins | Cocriação e interpretação: Alfredo Martins, Cláudia Gaiolas, Estelle Franco, Luís Godinho, Paula Diogo | Vídeo: Masako Hatori | Cenografia: Fernando Ribeiro, Rita Lopes Alves | Desenho de luz, acompanhamento técnico e operação: Anaísa Guerreiro | Acompanhamento técnico de vídeo: Paulo Américo | Adaptação musical e harmonizações: Luís Baptista | Coprodução: TMV, Festival Temps d’Images, Secretaria de Estado da Cultura/Governo de Portugal.

Classificação: acima de 6 anos
R$ 20 inteira | R$ 10 Meia e Lista Amiga

TRYROMANCE

TRYROMANCE

Observatório Constante

conversas / debates / entrevistas / música / espetáculos / filmes / performances

A companhia portuguesa Teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser realizou, em parceria com o Projeto_ENTRE, uma ocupação no Espaço Cultural Sérgio Porto, entre os dias 27 de Fevereiro e 8 de Março.

O trabalho da companhia procura pensar sobre o mundo que nos rodeia e a complexidade da vida contemporânea, criando espaços de organização das nossas percepções e vivências. Neste momento, interessa-se particularmente pelo tema da urbanidade, compreendido no seu espectro máximo – território, população, organização dos objectos físicos e relações entre os agentes sociais. Muitos dos seus projetos partem do reconhecimento e da experimentação radical do lugar urbano e da heterogeneidade que o caracteriza. Trata-se de perseguir uma linguagem plástica que possa traduzir uma visão sensível do mundo e das pessoas.

Esta ocupação integra a apresentação de três espectáculos:

NACIONAL-MATERIAL, PAISAGEM COM ARGONAUTAS

NACIONAL-MATERIAL, PAISAGEM COM ARGONAUTAS

Observatório Constante

conversas / debates / entrevistas / música / espetáculos / filmes / performances

«[Nacional-Material, Paisagem com Argonautas] é uma pequena pérola da dramaturgia e um exercício que foge a qualquer estereotipada construção sobre os estereótipos.»
Tiago Bartolomeu Costa, jornal Público, 07/07/2011

NACIONAL-MATERIAL, PAIDAGEM COM ARGONAUTAS é uma performance-debate em torno do tema da imigração e da integração de estrangeiros nos países de acolhimento. Propondo ao público a simulação do espaço de uma assembleia deliberativa, evoca-se a narrativa de Medeia, a estrangeira, e dos Argonautas para debater as políticas e as práticas ligadas à inclusão de imigrantes nas sociedades de acolhimento. O público é convidado a participar na discussão e a decidir sobre a permanência ou expulsão de Medeia, conquistando-se assim para o Teatro esta dimensão de debate e a possibilidade de testar os limites do poder do espectador no interior de um espectáculo.

Direção artística: Alfredo Martins | Cocriação e concepção do espaço cénico: Alfredo Martins, Bernardo de Almeida, Cláudia Gaiolas, Ivo Serra, Luís Godinho, Margarida Carvalho | Interpretação: Alfredo Martins, Luís Godinho, Margarida Carvalho, Bernardo de Almeida | Vídeo: Ivo Serra | Apoio à dramaturgia: Sandra C. S. Marques | Acompanhamento técnico e operação: Anaísa Guerreiro | Coprodução: TMV, TNDM II.

Classificação: acima de 8 anos
R$ 20 inteira | R$ 10 Meia e Lista Amiga

OCUPAÇÃO TEATRO MEIA VOLTA

OCUPAÇÃO TEATRO MEIA VOLTA

Observatório Constante

conversas / debates / entrevistas / música / espetáculos / filmes / performances

A companhia portuguesa Teatro meia volta e depois à esquerda quando eu disser realizou, em parceria com o Projeto_ENTRE, uma ocupação no Espaço Cultural Sérgio Porto, entre os dias 27 de Fevereiro e 8 de Março.

O trabalho da companhia procura pensar sobre o mundo que nos rodeia e a complexidade da vida contemporânea, criando espaços de organização das nossas percepções e vivências. Neste momento, interessa-se particularmente pelo tema da urbanidade, compreendido no seu espectro máximo – território, população, organização dos objectos físicos e relações entre os agentes sociais. Muitos dos seus projetos partem do reconhecimento e da experimentação radical do lugar urbano e da heterogeneidade que o caracteriza. Trata-se de perseguir uma linguagem plástica que possa traduzir uma visão sensível do mundo e das pessoas.

Esta ocupação integra a apresentação de três espectáculos:

A CARTOMANTE Grupo Liquidificador_Brasília

A CARTOMANTE Grupo Liquidificador_Brasília

Observatório Constante

conversas / debates / entrevistas / música / espetáculos / filmes / performances

A peça “A Cartomante” é baseada no conto homônimo do escritor Machado de Assis, adaptada pelo Grupo Liquidificador. A história gira em torno do triângulo amoroso que se forma entre Vilela, sua esposa Rita e seu amigo de infância Camilo. O trágico enredo ganha também contornos de comédia pelas teias da linguagem performática, do jogo, do improviso e do diálogo entre atores e público. O realismo crítico e irônico do texto machadiano marca a trama, que inspira nos espectadores uma reflexão sobre o poder das decisões e suas conseqüências diretas sobre o destino dos personagens que caminham para um desfecho trágico e surpreendente.

É com muito orgulho que o Projeto_ENTRE recebe mais este espetáculo em circulação como parte de sua programação.

Autor: Machado de Assis | Dramaturgia: Grupo Liquidificador | Direção: Fernando Carvalho | Elenco: Fernanda Alpino, Fernando Carvalho, Iza Cavanellas, Kael Studart, Karinne Ribeiro | Figurinos: Fernanda Alpino e Glauber Carvalho | Cenografia: Grupo Liquidificador | Iluminação: Tiago Medeiros | Fotos: Júlia Salustiano e Raquel Pellicano | Designer Gráfico: Bárbara Alpino | Produção e Realização: Grupo Liquidificador, Fernanda Alpino, Fernando Carvalho, Iza Cavanellas, Kael Studart e Karinne Ribeiro

Classificação Livre
R$ 30 inteira | R$ 15 Lista Amiga e Meia

FRANCISCO CAMACHO_Eira Portugal

FRANCISCO CAMACHO_Eira Portugal

Observatório Constante

conversas / debates / entrevistas / música / espetáculos / filmes / performances

Em parceria com o Projeto_ENTRE um dos mais consagrados coreógrafos portugueses Francisco Camacho_EIRA apresenta-nos um programa duplo de solos: “O Rei No Exílio – Remake” (2013) e “Nossa Senhora das Flores” (1993), dois marcos da dança contem- porânea portuguesa e europeia.

O REI NO EXÍLIO – REMAKE + NOSSA SENHORA DAS FLORES

O REI NO EXÍLIO – REMAKE é a recriação de 2013 da peça “O Rei No Exílio” (criado originalmente em 1991 para o Klapstuk Dance Festival), um solo de Fran- cisco Camacho / EIRA baseado na figura de D. Manuel II, o último Rei de Portugal que se exilou em Inglaterra em 1910. A personagem é o resultado da justa- posição do próprio coreógrafo e intérprete com Dom Manuel II. A peça vive numa linha de tensão da ambiguidade das identidades em jogo. Resulta numa person- agem obsessiva rodeada dos seus vícios triviais, encerrado na sua existência e perdido no vazio dos seus segredos.

Coreografia e interpretação FRANCISCO CAMACHO | Consultadoria de voz e interpre- tação FERNANDA LAPA | Figurinista e Assistente de ensaios CARLOTA LAGIDO | Cenário PHILIP CABAU | Desenho de luz e Direcção Técnica FRANK LAUBENHEIMER | Banda Sonora CARLOS ZINGARO, RUY COELHO / NATÁLIA DE ANDRADE, NICK CAVE | Textos D.MANUEL II, ANTÓNIO CABRAL, FRANCISCO CAMACHO | Produção EIRA

Estreado em 1993, NOSSA SENHORA DAS FLORES mantém ainda hoje intactas todas as qualidades que fizeram deste espectáculo uma das obras de referência da Dança Contemporânea Portuguesa. Com a sua apresentação em mais de trinta teatros e festivais da Europa e América do Sul Francisco Camacho reafirmou também a sua importância enquanto criador e intérprete no circuito internacional.

Coreografia e interpretação FRANCISCO CAMACHO | Figurinos CARLOTA LAGIDO | Desenho de Luz e Direcção Técnica FRANK LAUBENHEIMER | Música JORDI SAVALL | Direcção Técnica PEDRO MACHADO | Produção EIRA
31_JAN às 20h – Estréia dupla de Rei no Exilio Remake e Nossa senhora das Flores 01_FEV às 20h – Apresentação do espetáculo Rei no Exilio Remake
02_FEV às 20h – Apresentação do espetáculo Nossa Senhora das Flores.

Classificação Livre
R$ 20 inteira | R$ 10 Lista Amiga e Meia